Apresentação do programa do Festival de Música de Setúbal na Casa da Cultura

Publicado em Abril 29, 2015 » Cultura, Últimas

Festival_Música_Setúbal_conferência_imprensa_03A edição de 2015 do Festival de Música de Setúbal foi apresentada hoje, na Casa da Cultura, como um acontecimento singular, com espetáculos de qualidade que reúnem músicos profissionais e amadores num evento que está a ganhar projeção internacional.

“Uma das principais revistas norte-americanas online [Musical America] e vários jornalistas britânicos estão a dedicar cada vez mais atenção ao que se está a passar em Setúbal”, garantiu o diretor artístico do certame, Ian Ritchie, na apresentação pública do festival que decorre em vários locais do concelho de 28 a 31 de maio.

O espaço que o Festival de Música de Setúbal está a ganhar na imprensa internacional atesta, segundo Ian Ritchie, um dos mentores da programação desenvolvida, que a singularidade do certame merece um olhar atento não apenas pela qualidade dos espetáculos que têm vindo a ser apresentados, mas também pelos princípios com que se norteia desde a primeira edição, em 2010.

Uma das principais características diferenciadoras do evento, organizado pela A7M – Associação do Festival de Música de Setúbal, com o apoio da Câmara Municipal, The Helen Hamlyn Trust e Fundação Calouste Gulbenkian, é o envolvimento de músicos conceituados em espetáculos conjuntos com grupos da comunidade local, como alunos de escolas de música, grupos de imigrantes ou pessoas com deficiências.

O violinista Hugo Ticciati, o pianista João Paulo Esteves da Silva, a cantora Ana Brandão, o trombonista John Kenny, o guitarrista Pedro Jóia e o maestro Pedro Teixeira são apenas alguns dos profissionais a partilhar os palcos setubalenses com elementos, por exemplo, do Conservatório Regional de Setúbal, da Academia de Música e Belas-Artes Luísa Todi, do Coral Infantil de Setúbal e do Externato Rumo ao Sucesso.

“Este é um festival que tem o fulgor durante três dias, mas onde o pulsar vem do trabalho desenvolvido por uma grande comunidade ao longo de todo o ano”, resumiu o vereador do pelouro da Cultura da Câmara Municipal, Pedro Pina.

A festa que “desafia e desafina” a população, significa, para Pedro Pina, que a “música distintiva do Festival, a qualidade profissional com que se apresenta ao público, não implica a exclusão de ninguém. É como uma maratona, em que os que vão à frente fazem questão de cortar a meta juntamente com todos os outros”.

Com a edição de 2015 a ser dedicada ao tema “Clima”, Pedro Pina confia que o próximo Festival de Música vai “agitar culturalmente Setúbal e, igualmente, o País”.

Ian Ritchie realçou, inclusivamente, concertos como “A Terra Tremeu”, com os coros Officium Ensemble e do Conservatório Regional juntamente com o quarteto de metais Pandora’s Box, sob direção de Pedro Teixeira. “Foi inspirado no terramoto de 1755, mas, à luz do presente, com os acontecimentos recentes no Nepal, demonstra a atualidade destas composições. Os espetáculos do Festival de Música de Setúbal têm essa capacidade de tocar a todos, envolvendo artistas e público à volta de um espírito, de um princípio.”

Princípio, esse, que, para o presidente da A7M, Óscar Mourão, assenta em duas direções numa pirâmide. “Gera efeitos da base para o topo e do topo para a base.”

Óscar Mourão salientou ainda a atuação prevista para esta edição do evento do Ensemble Juvenil de Setúbal, no qual, gerado com o apoio do programa PARTIS – Práticas Artísticas para a Inclusão Social, da Fundação Calouste Gulbenkian, e comungando do conceito do festival, participam alunos de música, jovens sem estudos musicais e pessoas com deficiências.

O maior envolvimento da comunidade local nas iniciativas contempladas no programa do Festival de Música foi também enaltecido durante a apresentação realizada ao final desta manhã.

Ian Ritchie constatou que “as 1500 crianças previstas no desfile de percussão representam sensivelmente 1 por cento da população total do concelho, algo, sem dúvida, notável”, assim como o facto “de cerca de 300 alunos estarem a criar música mediante o tema proposto. É um processo criativo que representa uma fantástica forma de aprendizagem”.

O diretor artístico sublinhou ainda que mais entidades se associaram este ano ao certame, como a Casa d’Avenida, local que acolhe uma exposição e encontros de poesia.

O Festival de Música de Setúbal começa a 28 com “As Quatro Estações”, espetáculo com início às 21h00, no Fórum Municipal Luísa Todi, com a Orquestra de Câmara Portuguesa a dividir o palco com jovens músicos da Academia de Música e Belas-Artes Luísa Todi e do Conservatório Regional de Setúbal.

O concerto, com direção do violinista sueco Hugo Ticciati, inclui interpretações de “As Quatro Estações” de Antonio Vivaldi, assim como “As Quatro Estações de Buenos Aires”, com arranjos de Altube e Desyatnikov, do compositor Astor Piazzola. As entradas custam 10 euros.

No dia seguinte, a 29, pelas 10h30m, o Auditório José Afonso recebe uma demonstração de percussão dirigida por Fernando Molina, a que se segue, uma hora depois, um desfile com centenas de jovens de escolas e de grupos comunitários de Setúbal a espalhar ritmos num percurso pela Avenida Luísa Todi até ao Fórum Municipal.

Mais tarde, às 17h00, na Casa d’Avenida, escritores e poetas da editora Douda Correria partilham a sua obra com alunos de escolas do concelho, evento integrado na exposição “Poética do Tempo”, patente entre 2 de maio e 21 de junho, que inclui a dinamização de atividades em torno das temáticas do “Clima” e do “Tempo”.

O programa do Festival de Música de Setúbal prossegue às 18h30m com o espetáculo “AIME! do Ritual à Profanação”, no Fórum Municipal Luísa Todi, que junta em palco grupos de diferentes origens e culturas para ilustrar a relação do Homem com a Natureza ao longo dos tempos. As entradas custam 3 euros.

O evento, com direção artística de Fernando Altube e projeto de Elsa Mobilha e Filomena Vargas, conta com as participações das classes Orff e do Coro Juvenil da Academia de Música e Belas-Artes Luísa Todi, da APPACDM de Setúbal, da Associação Cabo-Verdiana de Setúbal e do Universe Gong Taças Tibetanas.

No dia 29, o Festival de Música de Setúbal conta ainda com o espetáculo multidisciplinar “Tempestade (num copo de água?)”, com sessões às 21h00 e às 22h30m, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, e bilhetes a 6 euros, que junta a cantora e atriz Ana Brandão e o pianista João Paulo Esteves ao Coral Infantil de Setúbal.

A programação de dia 30 começa em Vila Fresca de Azeitão, com a Quinta da Bacalhôa a receber, às 10h30m, “Música no Palácio”, concerto com as participações da Banda de Música da Sociedade Filarmónica Capricho Setubalense, dos BelaBatuke, de John Kenny, tocador de carnyx, e do quarteto de metais Pandora’s Box.

Segue-se, às 11h00, “Há Música no Ar”, concerto itinerante com diversos grupos de jovens do Conservatório Regional de Setúbal a partilhar sonoridades pelas ruas do centro histórico, da Praça de Bocage aos largos da Ribeira Velha e da Misericórdia.

À tarde, entre as 15h00 e as 17h00, na Casa d’Avenida, a exposição “Poética do Tempo” serve de pretexto para uma conversa com Luís Pessanha, presidente da Associação Portuguesa de Meteorologia e Geofísica, e António Sampaio Correia, neurocientista e psiquiatra, a par de apontamentos poéticos.

O Coreto da Avenida Luísa Todi recebe, a partir das 17h00, um concerto com cerca de uma hora pela Banda da Sociedade Filarmónica Perpétua Azeitonense, que interpreta vários temas do seu reportório.

O novo Ensemble Juvenil de Setúbal, criado através da A7M – Associação Festival de Música de Setúbal e apoiado pela The Helen Hamlyn Trust, pela Câmara Municipal de Setúbal e, através do programa PARTIS – Práticas Artísticas para a Inclusão Social, pela Fundação Calouste Gulbenkian, com jovens músicos do concelho que interpretam vários sonoridades musicais, do jazz aos estilos clássico e moderno, passando pelo género músicas do mundo, faz a estreia na programação do Festival de Música de Setúbal com o concerto “A Tempo”, com entradas a 3 euros.

O espetáculo, agendado para o Fórum Municipal Luísa Todi, com início às 18h00, tem direção de Rui Borges. O programa musical inclui temas especialmente criados para o novo ensemble por Dan Stern, Daniel Bernardes e Luís Salgueiro, assim como uma reinterpretação das “Quatro Estações” de Antonio Vivaldi por Sara Ross.

À noite, às 21h30m, a Igreja de Santa Maria da Graça recebe “A Terra Tremeu”, concerto no qual o Officium Ensemble, acompanhado do quarteto de metais Pandora’s Box e do coro do Conservatório Regional de Setúbal, apresenta um programa de música sacra com peças inspiradas em desastres naturais ou criadas no espírito da ira divina. A entrada é livre mas é necessária reserva.

O último dia do festival começa no Moinho de Maré da Mourisca, com três sessões de apontamentos musicais, às 10h00, às 11h00 e às 12h00, para um concerto em que os sons da natureza se misturam com as sonoridades dos instrumentos tradicionais, numa performance com o espaço e o tempo a correrem ao sabor da maré.

O projeto “Suite da Maré”, com entradas a 3 euros, tem conceção, composição musical e direção António Laertes e Pedro Condinho, e conta com as participações do Grupo de Música Contemporânea do Conservatório Regional de Setúbal, alunos do Externato Rumo ao Sucesso e John Kerry.

“Mudanças de Clima” dá tema a um concerto com início às 15h30m, no Fórum Municipal Luísa Todi, com novas canções criadas e interpretadas por centenas de crianças de Setúbal, com base no tema da edição deste ano do festival, acompanhadas ao vivo por músicos profissionais da área do fado.

O espetáculo, com direção do maestro Nuno Batalha e coordenado por Carlos Barreto Xavier, junta em palco coros de escolas do 1.º ciclo do concelho, o Coral Infantil de Setúbal e classes da APPACDM de Setúbal para um momento de fusão musical, com a participação de vários fadistas.

Antes do espetáculo “Mudanças de Clima”, há um pré-concerto, às 15h00, na entrada do Fórum Municipal Luísa Todi, com o Ensemble de Saxofones do Conservatório Regional de Setúbal.

A quinta edição do Festival de Música de Setúbal culmina com “Maré Alta”, espetáculo com início às 21h00, com a participação de três músicos/compositores oriundos das cidades portuárias de Setúbal, Lisboa e Buenos Aires, que partilham um movimento musical comum.

No espetáculo, com bilhetes a 10 euros, o palco do Fórum Municipal Luísa Todi une as interpretações do trio composto por Pedro Jóia, na guitarra, João Frade, no acordeão, e Norton Daiello, no baixo elétrico, a que se juntam os jovens percussionistas do Ensemble Juvenil de Setúbal.

Os bilhetes para os vários espetáculos da quinta edição da iniciativa encontram-se à venda no Fórum Municipal Luísa Todi e www.bilheteiraonline.pt. Mais informações sobre o Festival de Música de Setúbal podem ser obtidas no sítio www.festivalmusicadesetubal.com.pt.

CMS/Zoomonline

 

Partilhe este artigo
Tags

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscrever!

*