AURPIS assume-se como instituição de referência no apoio social no concelho

Publicado em Julho 4, 2017 » Uncategorized

Situado num espaço privilegiado do concelho do Seixal, o Lar da Associação Unitária de Reformados Pensionistas e Idosos do Seixal é um dos maiores equipamentos do género no concelho. Com desafios constantes, esta instituição particular de solidariedade social afirma projetar recursos para proporcionar o melhor aos seus utentes.

Com um total de 424 utentes, divididos pelas diversas respostas sociais, e 140 funcionários, dos quais 129 são efetivos, a Associação Unitária de Reformados Pensionistas e Idosos do Seixal (AURPIS) é das maiores instituições de solidariedade social do concelho. Tudo começou em 1981, numa pequena casa cedida pela Câmara do Seixal, com um grupo de pessoas preocupadas com a assistência aos mais idosos e a outras com dificuldades. “Na altura, não existia nenhuma instituição no concelho que prestasse apoio a essa população”, lembra José Silva, presidente da instituição. Meteram mãos à obra e, ainda sem apoio da Segurança Social, “disponibilizámo-nos para levar comida a casa de 34 famílias”. Com uma carrinha emprestada e voluntários, a AURPIS deu início a um serviço que, a cada dia, era mais solicitado. Começou então a perceção de que era necessário outras respostas para a população mais debilitada pela idade ou doença. Começou a nascer a ideia de construir um lar.

A direção da instituição passou por uma candidatura chumbada pelo Programa Pares, constituiu um novo projeto com a valência de creche e, em setembro de 2011, inaugurou o Lar da AURPIS. Um investimento na ordem dos 4 milhões de euros, comparticipados pelo Estado em 1 milhão, 800 mil pela Câmara do Seixal, que pagou o projeto e cedeu o terreno, e cerca de 24 mil euros pela então Junta de Freguesia do Seixal. A restante parte financeira foi assumida pela instituição.

“Foi uma decisão difícil, em que tivemos de negociar cerca de 2,5 milhões de euros com os bancos. Mas, passados estes anos, apenas devemos 600 mil euros à banca e fornecedores”, diz José Silva que acrescenta que a instituição recebeu, entretanto, 15 mil euros a fundo perdido por parte do Estado. “Tem sido difícil responder a este esforço financeiro, mas os utentes da AURPIS merecem”, infere o presidente de uma associação que tem no terreno 22 viaturas a prestar apoio domiciliário, pelo menos, duas vezes por dia, a 160 utentes, recebe no centro de convívio 60 pessoas, tem no centro de dia 111 utentes, 37 crianças na creche e acolhe na estrutura residencial 56 idosos.

Com um equipamento instalado num terreno privilegiado, junto ao Parque Urbano do Seixal e com vista sobre a baía, o diretor de serviços das AURPIS, Artur Silva, gostaria de potencializar as instalações com serviço a turistas mais idosos que visitam o concelho e, que “pretendem ter o conforto de uma estrutura bem dimensionada”, mas esta possibilidade “ainda não foi considerada pela parte governamental”, lamenta.

Mas se a visão a mais futura ainda não foi considerada, o compromisso assumido pela Segurança Social, que apoia as valências da instituição, é elogiado pelo presidente da AURPIS. “O apoio financeiro chega sempre a tempo e horas, o que tem sido também fundamental para pagar o salário aos funcionários”.
Fundamental tem sido também o apoio que a instituição recebe de grandes superfícies, através do Rotary Clube de Portugal, e do Banco Alimentar de Setúbal para assegurar as refeições aos seus utentes. O que José Silva lamenta, é que “parte da sociedade civil ainda não seja sensível a instituições como a AURPIS, que dedicam o seu esforço a apoiar a população idosa”. E acrescenta: “mesmo com uma grande lista de espera, a AURPIS não desiste nunca de tentar chegar a todos os que nos pedem apoio”.

O Seixalense/ZoomOnline

 

Partilhe este artigo
Tags

Comments are closed.