“Azeitão vista por Américo Ribeiro” em livro

Publicado em Abril 28, 2017 » Cultura, Destaques, Últimas

O livro “Azeitão vista por Américo Ribeiro”, com mais de 250 fotografias do maior fotógrafo setubalense foi lançado na terça-feira, no salão nobre da Junta de Freguesia, em Vendas, perante a presença de mais de cem pessoas, no âmbito das comemorações do 43.º aniversário do 25 de Abril.

A edição da autarquia azeitonense surgiu da ideia de Rui Peixoto que contou com a colaboração de Bernardo Costa Ramos na elaboração dos textos, de Bruno Ferro na pesquisa e digitalização, e de Rui Peixoto e Luís Almeida, na organização, sendo oferecida à população da freguesia.

A obra com cerca de 200 páginas mostra fotografias, desde a década de 20, da Arrábida, do Portinho e do convento, do palácio da Bacalhôa e da Quinta das Torres, das escolas primárias de Vila Fresca e de Vendas, das empresas de José Maria da Fonseca, João Cândido Belo e da fábrica de tomate Mapirel em Brejos, procissões de Nossa Senhora da Saúde, do Senhor dos Passos e de Nossa Senhora de Fátima. Apresenta ainda fotografias de casamentos, baptizados, comunhões, das bandas Perpétua e Providência, teatro, marchas e vistas gerais de diversos locais da freguesia.

Para a presidente da Junta, “o futuro de uma terra só se constrói na base do conhecimento da sua história” e este “grande livro” permite “às gerações vindouras o registo deste património histórico de Azeitão”. Esta obra é “fruto do trabalho de homens que amam Azeitão e só a sua dedicação permitiu a recolha de tantos e maravilhosos ‘olhares’ de Américo Ribeiro”. Celestina Neves deixou a promessa de uma segunda edição caso surjam novas fotografias de Américo Ribeiro sobre Azeitão.

Rui Peixoto salientou que esta obra “não pretende ser um livro de fotografias antigas mas um olhar sobre Azeitão, pela objectiva de Américo Ribeiro”. “Sobre Azeitão é a primeira vez que se inicia este tipo de pesquisa e divulgação, houve uma grande proximidade de Américo Ribeiro a Azeitão através da família Belo, daí que o capítulo que fala de João Cândido Belo é o que está mais bem documentado”, disse.

Bernardo Costa Ramos, natural de Azeitão, professor, afirmou que “sempre fui um apaixonado por Azeitão, a sua história e património”, adiantando que “aceitei o convite para escrever pequenos textos que acompanham as fotografias, no início das suas temáticas, tentando dar um pouco da minha experiência, do que vivi e dos sítios que conheci, e a parte histórica que tentei sintetizar o mais possível”.

O Setubalense/ZoomOnline

 

Partilhe este artigo
Tags

Deixar uma resposta