Círio Marítimo de Nossa Senhora da Arrábida

Publicado em Junho 30, 2015 » Sociedade, Últimas

Círio_fluvial_08O Rio Sado vai voltar a receber o Círio Marítimo de Nossa Senhora da Arrábida após mais de 40 anos de interregno. O cortejo de barcos engalanados que deixou de realizar-se na década de 1970 vai regressar no próximo dia 4 de julho e marca o início das Festas do Novo Círio de Nossa Senhora da Arrábida que se decorrem até ao dia 12 de julho.

O cortejo de barcos pelo Rio Sado vai ter início às 15h30m de sábado, na Doca dos Pescadores. O círio marítimo vai percorrer o Portinho da Arrábida, Outão, Senhora do Cais, regressando a Setúbal. Após a realização do Círio Marítimo terá lugar a procissão pelo Bairro do Troino.

Rui Canas, presidente da União das Freguesias de Setúbal, referiu durante a conferência de imprensa na última semana que o regresso do Círio Marítimo em honra de Nossa Senhora da Arrábida “era um dos objetivos que tínhamos para este mandato”. “Nós vemos estas festas como elementos centrais da cultura das nossas populações. Vemos uma forma de manter vivas as tradições. São as nossas raízes e de onde nós provimos”, destacou Rui Canas.

O presidente da União das Freguesias de Setúbal explica que foram feitos “muitos esforços o ano passado para conseguir realizar o Círio Marítimo”, tendo este ano conseguido a aprovação do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) para a realização do mesmo, “já com a possibilidade de este realizar-se ao longo de dois dias em 2016”.

Válter Canas, membro da comissão organizadora das Festas do Novo Círio Marítimo da Arrábida, agradeceu à União das Freguesias de Setúbal “pelo apoio para levar adiante esta revitalização do Círio Marítimo”. “Pensamos que vai reavivar na memória das pessoas mais antigas este grande cortejo marítimo pelo rio. Será um momento de fé e os homens do mar precisam destes momentos, faz parte do seu quotidiano”, destacou Válter Canas.

André Martins, vice-presidente da Câmara Municipal de Setúbal, elogiou o “esforço, empenhamento e dedicação para conseguirem para conseguirem revitalizar esta festa, uma festa tradicional da comunidade piscatória”. “Esperamos que no próximo ano as festas possam ser retomadas com toda a dimensão e amplitude que é importante dar a estas comemorações, para que os mais idosos tenham a possibilidade de reviver estes tempos e poderem abraçar este projeto e transportá-lo pelas gerações futuras”, acrescentou.

CMS/Zoomonline

Partilhe este artigo
Tags

Deixe uma resposta