CORROIOS, ALFOBRE DE FADISTAS

Publicado a Julho 25, 2018 » 829 Views» Destaques, Opinião, Últimas

Nestes dias que vivemos, em que a globalização impõe, também em termos culturais, a lei do mais forte, mas também em que muitos se põem a jeito, ou seja, se subordinam, veja-se, por exemplo, os cartazes dos inúmeros festivais de música por este país fora em que uma altíssima percentagem são artistas estrangeiros. Dir-se-á que as empresas que os organizam, têm que ter lucro e que os frequentadores desses festivais são sobretudo jovens e é essa a sua música preferida. Certo! Só que, os jovens e menos jovens, já foram desde há muito, formatados pela programação de rádios e televisões. Por tudo isto, lamentável e exageradamente, destacam a língua de Shakespeare, em detrimento à de Camões. Mas, como “Há sempre alguém que resiste, há sempre alguém que diz não!” Quem comprovadamente diz, Não! É Corroios. Atente-se nos cartazes dos 3 palcos das suas festas anuais, onde se privilegia a música portuguesa e, por onde, no palco principal, “Carlos Paredes”, passa o que de melhor, nesta matéria, se faz em Portugal. Mas, Corroios, a sua Junta de Freguesia, e as suas coletividades, não se ficam por aqui! Eis mais um exemplo: sendo o fado, a expressão mais genuína da alma lusitana, e Património Imaterial da humanidade, Corroios, faz jus em o cultivar. Quem tem assistido à “ Grande Noite de Fados Emídio Leitão”, sabe do que falamos.
Emídio José Macau Leitão, foi um arraiolense que desde há muito se fixou em Corroios. Um amante do fado que o cantou em casas típicas, festas de beneficência e outros locais para onde era solicitado. Homem simples, simpático e afável, que para além de muitos amigos, deixou dois filhos; o Henrique e o Carlos Leitão que seguiram as suas pisadas, tornando-se dois grandes músicos. Dois grandes fadistas. Assim, honrando a memória deste nosso conterrâneo por adoção, a Junta de Freguesia de Corroios, instituiu a “Grande Noite de Fados Emídio Leitão”. No passado dia 14 do corrente mês, decorreu no largo da igreja de Corroios, com todo o brilhantismo e agrado, a sua segunda edição. A apresentação, digamos, profissional, esteve a cargo, mais uma vez, de um competente amador: Francisco Rodrigues. E contou com a participação de 16 fadistas: Tina Santos, Diana Vilarinho, Luís Almada, Nélia Romão, Linda Soares, Joana Carvalhas, Pedro Rodrigues, Elsa Moreira, Beatriz Guerra, Fernando Silva, Milai Santos, Maria Passarinho, Pedro Junot, Leonor Duarte, Tiago Conceição e Eduardo Fagundes. Acompanhados por 3 excelentes músicos. Músio Sá, guitarra portuguesa, Carlos Fonseca, viola de fado e Luís Almada, viola baixo.
Dizer também que Luís Almada largou a viola, e ainda brindou a assistência que lotava por completo o amplo e aprazível largo, com 3 fados, superiormente interpretados. Que para além das veteranas Tina Santos e Milai Santos, todo o restante elenco foi constituído por jovens oriundos da “Escola de Fado da Casa do Povo de Corroios”, cujo principal mentor, por gosto e pelas  funções que exerceu e exerce naquela instituição, é o nosso amigo Francisco Rodrigues.
Portanto, 16 fadistas, é obra! E há mais! Por exemplo, Diana Soares, que não participou nesta edição, mas vai com todo o mérito, participar nas próximas “Festas de Corroios”. Pisando, pela primeira vez, o grande e prestigiado palco, Carlos Paredes. Antecedendo a sua colega fadista, a grande Marisa.
Portanto, além do slogan, “Corroios é Outra Música!”, pode acrescentar-se; e um alfobre de fadistas.
Segundo, publicamente, afirmou o presidente da autarquia, Eduardo Rosa, a popular iniciativa terá continuidade e, se possível, cada vez melhor.

Francisco Ramalho
Corroios, 18 de Julho de 2018

O Seixalense/ Zoom Online

Share this post
Tags

Comments are closed.