Europeias: BE diz Marcelo deu extrema-unção à direita

Publicado a Maio 22, 2014 » 545 Views» Eleições Europeias 2014

João Semedo BE AlmadaO coordenador do BE disse esta quarta que “a direita já sabe que perdeu as eleições” e que até o ex-líder do PSD Marcelo Rebelo de Sousa lhes deu a “extra-munção”, avisando que a “abstenção não soma à esquerda”.

João Semedo discursava num comício para as eleições europeias no concelho de Almada, onde reiterou um claro apelo ao voto aos descontentes, antecipando que a coligação de direita já sabe que perdeu as eleições e que o BE vai ter “uma vitória política” e vai “eleger a Marisa Matias”.

“Anda aquela dupla, Rangel e Melo, meio escondidos, a fugir das pessoas. Parece mais um funeral do que uma campanha eleitoral, duas almas penadas, dois gatos pingados. E até não lhes faltou ontem a extrema-unção do professor Marcelo”, descreveu.

O coordenador do BE recordou o comício onde participou o ex-líder do PSD, Marcelo Rebelo de Sousa, que chamaram “para ter nota máxima e afinal de contas acabaram os dois, um e outro, reprovados e chumbados”.

“Porque nem foi preciso ao professor Marcelo esperar por domingo para lhes passar a certidão de óbito. Mesmo ontem, bastou-lhe olhar para aquela campanha para lhes decretar o seu enterro”, disse.

Reiterando a luta contra a abstenção, João Semedo alertou que “quem não vota conta muito para a direita porque a abstenção não soma à esquerda”.

“A abstenção joga e soma à direita”, concretizou.

O líder bloquista falou ainda de um duelo de titãs entre Francisco Assis e Paulo Rangel, prometido pelo PS e pela direita.

“Não há qualquer diferença entre Assis e Rangel”, garante.

João Semedo recuperou uma expressão que tem ocupado o discurso e as trocas de acusações entre PS e a direita, considerando que ambos estão infetados pelo mesmo vírus, o vírus da austeridade, tendo, para além do mais, a vacina “fora de prazo”.

O líder do BE voltou a apontar ao PS de Seguro, considerando que “a pergunta essencial continua hoje por responder”.

“Afinal de contas, como é que o PS pode ser contra a austeridade e ao mesmo tempo defender o tratado orçamental. Assis e Seguro fogem disto como diabo da cruz”, criticou.

Para Semedo “quem quer empurrar o país para a esquerda, tem que votar no Bloco”.

Lusa/Zoom online

Foto: JS/BE

Share this post
Tags

Deixe uma resposta