Figo premeia jovens das escolas de Santo António e da Bela Vista

Publicado em Fevereiro 28, 2014 » Sociedade, Últimas

figoO antigo futebolista Luís Figo premiou hoje 16 jovens de escolas consideradas problemáticas pelo mérito alcançado no decorrer de um programa de combate ao abandono escolar promovido pela sua fundação, em parceria com o Ministério da Educação e Ciência.

Os jovens pertencem a oito escolas integradas em bairros problemáticos (incluídas no Programa TEIP – Territórios Educativos de Intervenção Prioritária): Escola Secundária Mães d´Água (Amadora), Escola Secundária D. João V (Damaia), Escola Secundária de Santo António (Barreiro), Escola Secundária do Cerco (Porto), Escola Secundária D. Inês de Castro (Vila Nova de Gaia), Escola Secundária António Nobre (Porto) e Escola Secundária da Bela Vista (Setúbal).

Cada um dos alunos – todos no Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva – recebeu um “tablet” das mãos de Luís Figo, oito deles por terem concluído o 11.º ano com a melhor média académica e os outros oito por terem mostrado mais empenho e a melhor progressão ao longo do ano.

“Hoje é um dia feliz para nós, porque estamos a meio de um projeto que iniciámos em 2011, em parceria com o Ministério da Educação e Ciência. Hoje informámos [os jovens] das diferentes saídas que podem encontrar quando terminarem o 12.º ano e premiámos os que tiveram melhor nota média ao longo do 11.º, bem como os que tiveram mais empenho e melhor progressão”, disse Luís Figo na cerimónia, que decorreu na Escola Secundária Mães d´Água, na Amadora.

O projeto “Para um Melhor 2014” visa promover o sucesso escolar – combatendo o abandono – e incentiva a continuidade nos estudos, nomeadamente oferecendo bolsas universitárias aos melhores alunos.

Assim, a Fundação Luís Figo vai pagar o primeiro ano de propinas a um dos alunos integrados no projeto, desde que este conclua os seus estudos nos três anos seguintes à entrada na faculdade.

“Eu continuo a acreditar que a Universidade é possível para todos e foi esse o objetivo a que nos propusemos desde o início deste projeto, ou pelo menos minimizar essa dificuldade. Que os alunos que tenham essa capacidade – pelo menos em termos de esforço e dedicação – possam chegar a um final feliz”, salientou o ex-futebolista, reiterando que o ensino superior “é possível para todos, independentemente das raças, das cores ou da qualidade social”.

Luís Figo, que num clima de boa disposição assistiu a momentos musicais interpretados pelos alunos das várias escolas, apelou aos estudantes para que procurem as oportunidades nos estudos, no trabalho e na vida com “esforço, dedicação e sacrifício”.

“Com as dificuldades que atravessa não só Portugal, mas também a Europa, se já é difícil encontrar trabalho com um curso superior […] imagina se não tens um curso superior ou não consegues aceder a essa oportunidade”, salientou.

Também presentes na cerimónia estiveram a diretora-geral da Fundação Luís Figo, Sara Souto, o diretor Pedro Cunha, da Direção-Geral de Educação, a psicóloga responsável pelo acompanhamento dos alunos no programa, Inês Faria, e o diretor da escola anfitriã, Jorge Gomes.

Lusa/Zoom online

Foto: FLF

Partilhe este artigo
Tags

Deixe uma resposta