Misericórdia de Setúbal promoveu debate sobre Regulamento Geral de Proteção de Dados

Publicado a Junho 13, 2018 » 223 Views» Destaques, Segurança, Sociedade, Últimas

O novo Regulamento Geral de Protecção de Dados foi tema de um debate organizado pela Santa Casa da Misericórdia de Setúbal, que reuniu mais de uma centena de pessoas em representação das Misericórdias do distrito e de oito instituições setubalenses do sector social.

Apresentada pelo diretor-geral da Misericórdia de Arganil, Nuno Gomes, a sessão, que decorreu na passada semana, contou ainda com a presença do presidente da União das Misericórdias Portuguesas, Manuel Lemos. Esta centrou-se nas questões que têm preocupado os dirigentes e os quadros das instituições do sector social, com a entrada em vigor do novo Regulamento Geral de Proteção de Dados.

“Foi uma informação esclarecedora, saneadora, sobre o que é realmente importante e necessário para garantir a conformidade com o dito regulamento”, afirmou o Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Setúbal. Fernando Cardoso Ferreira adiantou que também foram abordados alguns temas que estão no âmbito da cooperação entre os diversos operadores no campo social.

“Penso que se lançaram para o futuro as bases de uma grande interacção e entreajuda entre estas instituições”, considerou o provedor acrescentado que “é cada vez mais importante a colaboração entre todas as entidades que operam no sector social. Por isso, a Misericórdia de Setúbal, que inicialmente pensou em fazer uma sessão de esclarecimento / informação para os seus quadros, entendeu que a informação que ia ser prestada era suficientemente relevante para justificar a partilha com todas as Misericórdias do distrito e com outras entidades, nomeadamente IPSS e mutualidades que operam na cidade de Setúbal”.

Durante esta sessão foram ainda prestados esclarecimentos sobre os acordos de cooperação que as mutualidades, a União das Misericórdias Portuguesas (UMP) e a Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS) assinam regularmente com o Estado com vista a consagrar os mecanismos de comparticipação estatal nos serviços prestados pelo Sector Social.

“Essas questões são importantes, às vezes são complexas, são detalhadas, e nem todas as instituições estão atentas aos seus mecanismos. Por isso, nós também quisemos divulgar e esclarecer em relação a essa matéria”, frisou o Provedor da Misericórdia de Setúbal.

Por sua vez o presidente da UMP, Manuel Lemos, considerou a iniciativa da Misericórdia de Setúbal “virtuosa” e salientou: “É muito salutar que não nos fechemos uns sobre os outros. É muito importante que estas sinergias se vão acentuando sempre”.

O Setubalense/ZoomOnline

Share this post
Tags

Comments are closed.